segunda-feira, novembro 17, 2008

Ouço-te nas palavras mudas,
que a minha mente já há muito esqueceu
mas que a minha alma teima em recordar...
Pesaroso o meu corpo
sucumbe a cada pensamento
da incerteza do querer voltar...
Dor que pesa, recordações que alegram
vontade do regresso,
contrariado pelo medo fulminante...
Se ao menos, pelo menos,
a minha alma e a tua no fim
se compreendessem....

1 Comentários:

Blogger vero disse...

FANTÁSTICO!! Forte tão forte este poema, como se carregasse com ele todos os sentimentos, todas as palavras ditas sem escutar...


ADOREI MINHA MANA QUERIDA!!! Beijinhos

17 novembro, 2008 21:39  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial